Novidades

QUE AMOR MARAVILHOSO

Imagine ser colocado sobre um palco e ver cada pecado que você já cometeu reencenado para o mundo inteiro ver – seus vícios secretos, suas motivações secretas, seus rompantes de raiva, suas atitudes críticas e seu coração invejoso. Como você acha que se sentiria? Bem, Jesus passou por coisa muito pior. A Bíblia diz: “Carregando […]

Blog - Que amor maravilhoso

Imagine ser colocado sobre um palco e ver cada pecado que você já cometeu reencenado para o mundo inteiro ver – seus vícios secretos, suas motivações secretas, seus rompantes de raiva, suas atitudes críticas e seu coração invejoso.

Como você acha que se sentiria?

Bem, Jesus passou por coisa muito pior. A Bíblia diz: “Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados” (1 Pe 2:24). Já é ruim o bastante morrer por pecados que você não cometeu, mas imagine ser abandonado por Deus! Essa foi a mesma palavra usada por Paulo quando escreveu: “Demas, havendo amado mais o mundo secular, me abandonou […]” (2 Tm 4:10). Paulo procurou por Demas e não conseguiu encontrá-lo.

E na cruz, Jesus procurou por seu pai e não conseguiu encontrá-lo também. Então isso significa que o salmista estava errado quando escreveu: “Nunca vi o justo desamparado […]”? (Sl 37:25) Não, porque naquele instante Jesus era tudo, menos justo. Ao olhar para ele pendurado ali, você verá o fofoqueiro, o mentiroso, o enganador, o alcoólatra, o viciado em pornografia, o pedófilo, o assassino.

Você se incomoda por ver o nome de Jesus ligado ao dessas pessoas?

Bem, Jesus fez ainda mais. Ele se colocou no lugar delas – e no seu. Com uma ação que partiu o seu coração e nos deu o dom da vida eterna, Deus derramou o seu julgamento justo sobre o seu único filho. Então, quando Jesus gritou da cruz: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”, ele disse isso para nós nunca precisarmos dizer.

Que amor maravilhoso. 

Blog da Vida

Dicas e novidades sobre o mundo editorial